Planejando uma viagem com o bebê

Se teve uma coisa que a gente levou a sério depois que Lorenzo nasceu foi contrariar a maioria que dizia que a vida acaba depois que se tem filhos. Com 1 ano e 7 meses Lolo já viajou de avião 19 vezes e acredito que isso me trouxe alguma expertise pra falar sobre viajar com bebê. Cada família é um mundo e sabe como se sente confortável, o que vou fazer é deixar alguns tópicos com a minha experiência pra vocês pensarem na hora de planejar uma viagem com bebê. Vamos lá!

Pense bem se o destino que você está escolhendo é adequado ao seu estilo de vida e as necessidades do bebê. Por exemplo, bebês antes dos 6 meses não podem passar protetor solar. Se você não for aquela mãe aventureira, talvez prefira escolher outro destino que não praia antes dos 6 meses. Reflita também sobre quanto vocês estão dispostos a abrir mão da rotina do bebê. Isso vai servir de norte para escolher tanto o local quando a hospedagem. A nossa primeira viagem com o bebê Lolo foi pra praia, ele tinha 5 meses, descobri uma semana antes de viajar que ele não podia passar protetor. Sobrevivemos e saímos dessa primeira viagem com muitos aprendizados.

Florianópolis | Brasil | Bebê com 5 meses

Florianópolis | Brasil | Bebê com 5 meses

IMG_1383.JPG
IMG_1393.JPG
Meu amigo Clei e Lolinho, BFFS

Meu amigo Clei e Lolinho, BFFS

b7b3b559-1b8e-45e0-abe6-87b5c62d8031.JPG
7220833b-95b8-4638-9dae-58c0591534ed.JPG

Quando Lolo tinha 6 meses fomos pra Córdoba no norte da Argentina. Pegamos a pior turbulência da vida, o que me alertou sobre o uso de cintos de segurança em bebês viajando de avião. Por sorte não foi pior e eu consegui segurar o Lolo bem firme, mas se eu tivesse passado mal, ele tinha voado da minha mão. E sim, tem companias áreas que não só não oferecem como não tem o cinto de segurança pra bebês e a Aerolíneas Argentinas é uma delas. Se você quiser dá pra comprar o cinto em sites como Amazon e levar com você.

Lolo e papi Ramiro na estancia onde nos hospedamos em Córdoba

Lolo e papi Ramiro na estancia onde nos hospedamos em Córdoba

viajando-com-bebe01.JPG
IMG_2563.JPG
viajandocombebe.JPG

Escolha um hotel confortável, com disponibilidade de berço e banheira. Na nossa primeira viagem com o bebê não tínhamos berço nem banheira. Lolo dormiu no carrinho e tomou banho na pia (porque na época detestava banho de chuveiro). Existe o ideal e existe o que é possível. Pra viagem seguinte providenciamos uma banheira inflável que usamos até hoje e passamos a sempre nos certificar se as acomodações tem berço, já que não fazemos cama compartilhada. Também passamos a escolher melhor os hotéis ou casas que ficamos, verificamos se tem elevador, etc.

Nós sempre convidamos a minha mãe para as viagens longas (tanto em distancia, quanto em permanência). Vôo longo com criança é muito cansativo e dividir a responsabilidade sempre ajuda. Com mais gente viajando também conseguimos fazer algum programa a dois, ir jantar fora, enquanto ela fica com o Lolo. Claro que são mais pessoas pra tomadas de decisão em geral, mas colocando na balança, pra gente vale muito a pena convidar alguém da família.

Vovó Sueli e a gente em Zurich, nossa primeira viagem super longa com Lolo.

Vovó Sueli e a gente em Zurich, nossa primeira viagem super longa com Lolo.

IMG_0404.jpg
viagem-com-bebê.JPG

Leve o carrinho e o sling (nós temos o ergobaby 360 e amamos). Carrinhos leves são a melhor opção, nós temos um pesado e podemos afirmar que subir a escadaria do Parque Güell em Barcelona carregando um carrinho de 7 quilos mais um bebê que dormia dentro dele não foi muito legal. Mas pro nosso estilo de viagem, sem carrinho não rola, caminhamos muito, Lolo faz sonecas, adora passear nele vendo a paisagem, então é item necessário. O sling nos ajuda em pequenos passeios e pra prender o Lolo nas cadeirinhas dos restaurantes. Já ouvi mães falando que atam com lenço ou cinto de calça, nós preferimos o sling porque Lolo pode ficar bem inquieto e ele prende bem.

Sobre a alimentação depende da idade do bebê, se ele toma mamadeira ou peito, e quanto você vai abrir mão da rotina. Quer cozinhar a comida em casa? Tudo bem comer em restaurante? Nós abrimos a porteira quando Lolo tinha 1 ano e viajamos pra Suíça. Foram 20 dias de viagem e dei papinha industrializada e comida de restaurante. Pro Lolo pedimos sempre alguma proteína e vegetais. E lá pelo 1 ano e meio já liberamos com moderação o pão de queijo e bolinhos na viagem, que ninguém é de ferro. Temos uma história muito engraçada, estávamos em Zurich, queríamos jantar em um japonês mas precisávamos pensar no que Lolo iria comer, passamos no mercado e compramos uma lata de atum e uma papinha. Quando chegou a hora de abrir a lata de atum no restaurante Ramiro olha pra e diz “Dá uma tossida aí que eu vou abrir a lata em baixo da mesa”. HAHAHA Foi muito engraçado, a gente abrindo lata de atum em baixo da mesa do restaurante chic, mas era o que tinha.

Não, Lolo não comeu isso HAHAHA

Não, Lolo não comeu isso HAHAHA

Amigos locais podem tornar a viagem mais fácil <3

Amigos locais podem tornar a viagem mais fácil <3

Faça um roteiro mas prepare-se pra mudar tudo se for preciso. Viajar com bebê é possível mas não será no mesmo ritmo de quando era só você. Tudo é mais demorado, desde sair de casa até as paradas pro almoço, merenda. Esteja pronta pra abrir mão do controle. Quando a gente viaja com um bebê temos que saber que nem todas as atrações turísticas vão ser fáceis de visitar. Lugares muito cheios, apertados, com muita escada são realmente um empenho de ir com criança. Dá pra ir, mas tem que ir consciente do perrengue. E lembre-se! Sempre vai ter algo que não vai dar certo, que vai fugir do controle, que vai ser uma barra na hora, não é moleza. Conforme o tempo vai passando você que tava craque em viajar com um bebê de 6 meses agora tem um filho de 2 anos que quer caminhar pelo avião e fazer high five com todos os passageiros. É isso. Cada viagem é uma nova aventura, MESMO!

IMG_6183.JPG

Gostou do post, ele foi útil pra você ou tem mais alguma dica que possa ajudar outras mães que viajam? Deixa aqui nos comentários! Beijo grande!